banner

Ticker

* Cotações com atraso superior a 15 minutos via Bats CHI-X Europe e NASDAQ Basic

Resumo dos mercados - 8 março

8 Mar 2018

noticias/Diario-Patris.jpg

Europa: com a exceção de Portugal (-0,28%), a sessão foi positiva para os principais índices europeus de ações, com destaque para Itália (+1,22%). Desde o início da semana, o índice italiano regista um ganho de 2,6% (-1,7 pontos de base para a yield a 10 anos no país).

O STOXX600 fechou com uma subida de 0,36%. 14 dos principais 19 setores fecharam com ganhos, com destaque para Imobiliário (+1,22%) e Tecnologia (+1,22%). Do lado das perdas, tivemos Media (-0,32%) e Petróleo & Gás (-0,31%).

Mercado de dívida de governos na Zona Euro: a sessão foi positiva para as yields nas obrigações a 10 anos na região. Destaque para Portugal que apresentou uma descida de 5,5 pontos de base para 1,835%.

Portugal: o PSI20 fechou com uma queda de 0,22%. 8 dos 18 títulos do índice encerraram com ganhos, com destaque pela positiva para Mota- Engil (+1,9%), Semapa (+1,3%) e EDP (+0,8%). Os títulos mais pressionados foram Pharol (-5,8%) e Novabase (-3,8%).

Matérias-primas/Moedas: o euro fechou com um ligeiro ganho de 0,06% (-0,13% no momento em que escrevemos). O primeiro contrato de futuro do Brent terminou o dia com uma descida de -2,20% (+0,14% no momento em que escrevemos). O ouro terminou o dia com uma queda de 0,67% (+0,19% no momento em que escrevemos).

EUA: sessão mista para os principais índices de ações: DJIA -0,33%, S&P500 -0,05% (-0,97% no mínimo da sessão) e Nasdaq Composite +0,33%. Apenas 3 dos 11 principais setores do S&P500 terminaram a sessão com ganhos: Tecnologia (+0,55%), Imobiliário (+0,52%) e Saúde (+0,50%). Do lado das perdas, tivemos Consumo não Discricionário (-0,93%), Energia (-0,83%), Consumo Discricionário (-0,74%) e Utilities (-0,73%).

  • A yield a 10 anos das obrigações do Tesouro dos EUA terminou o dia praticamente inalterada nos 2,88%

Após reuniões com vários representantes do setor empresarial nos EUA, Donald Trump poderá confirmar já hoje a implementação das tarifas à importação de aço e alumínio.

Raphael Bostic, presidente do Fed de Atlanta (com voto no Comité em 2018), referiu ontem que a subida nos índices de ações, nos últimos meses, não teve correspondência na evolução dos resultados das cotadas. Referiu que uma deterioração nas expectativas para o comércio internacional poderia ter um impacto significativo no mercado de ações. Considerou que a incerteza que existe relativamente a medidas que possam ser aplicadas para o comércio internacional poderá retirar algum do momento positivo que a economia apresenta.

  • Considerou que políticas de protecionismo não ajudam a economia;
  • Referiu que em dezembro esperava 2 subidas de taxas, tendo agora ajustado para 3 subidas de 25 pontos de base na fed funds rate em 2018. Para Raphael Bostic, o ano de 2018 poderá mostrar 2, 3 ou 4 subidas de taxas;
  • Reconheceu o impacto positivo que a política orçamental poderá ter na economia dos EUA. Irá acompanhar o efeito na economia, mas disse que uma política orçamental mais expansionista justifica uma postura mais agressiva no que se refere à subida de taxas.

Segundo Robert Kaplan, o Presidente da Reserva federal de Dallas, as pressões inflacionistas estão a crescer, contudo estão abafadas pelo impacto de automatização e globalização. Apesar de demostrar a tendência crescente, a taxa de inflação pode não atingir o nível de 2% em 2018.

Foi ontem divulgado o Livro Bege, contendo informação recolhida até 26 de fevereiro, e que será utilizado na reunião do Comité de Política Monetária da Reserva Federal dos EUA de dias 20 e 21 de março. É referido que a economia cresceu a um ritmo moderado no período entre janeiro e fevereiro para os 12 distritos.

  • O documento mostra sinais moderados de inflação, com a baixa taxa de desemprego a provocar uma aceleração no ritmo de crescimento dos salários. Alguns distritos notaram um crescimento modesto dos salários. Contudo, vários distritos referiram que foi registado uma aceleração no aumento dos salários para um ritmo moderado (vs. modesto no Livro Bege anterior);
  • É referido que os preços aumentaram de forma moderada na maior parte dos distritos (vs. subidas modestas a moderadas no Livro Bege anterior);
  • 4 distritos apontaram para significativos aumentos de preço no aço;
  • Segundo a informação recolhida, o emprego cresceu a um ritmo moderado, com uma significativa procura por novos trabalhadores;
  • É mencionada uma evolução positiva da produção no setor industrial. Sinais mistos no consumo, com as vendas de automóveis estáveis ou a apresentarem quedas. Evolução positiva das vendas a retalho excluindo automóveis em apenas cerca de metade dos distritos.

Ásia: sessão positiva para a generalidade dos principais índices de ações na região: TOPIX +0,35%, HANG SENG +1,55% no momento em que escrevemos, SHANGHAI COMPOSITE +0,51%, HSCEI +1,46% no momento em que escrevemos, TAIEX +0,73%, KOSPI +1,30% e S&P/ASX200 +0,69%.

Na China, o saldo da balança comercial atingiu 33,74 mil milhões de dólares em fevereiro (vs. consenso -5,70 mil milhões de dólares), após 20,35 mil milhões de dólares em janeiro. A taxa de variação homóloga das exportações acelerou de 11,2% para 44,5% (vs. consenso 11,0%), enquanto as importações aumentaram 6,3% (vs. consenso 8,0%), após +36,8% no mês anterior.

Destaques do dia: O destaque do dia será naturalmente a reunião de política monetária de março do Banco Central Europeu. A decisão será conhecida às 12h45, hora de Portugal, tendo a conferência de imprensa de Mario Draghi lugar 45 minutos mais tarde, com a apresentação das novas previsões macro do staff do Banco Central Europeu.

  • As novas previsões macro não deverão mostrar grandes alterações face a dezembro. A atenção deverá estar concentrada na atualização das previsões para a inflação, depois de excluir alimentação e energia;
  • Não obstante o reconhecimento de um ambiente favorável em termos económicos e de uma maior confiança quanto à deslocação da inflação para junto da meta definida, o baixo nível que a inflação apresenta (com uma lenta recuperação da inflação core), e os recursos ainda por usar no mercado de trabalho, deverão levar o Banco a reiterar que não há ainda sinais de uma tendência sustentável de subida na inflação, pelo que progressos adicionais dependem da manutenção de uma política monetária expansionista. De qualquer forma, os mercados financeiros estarão atentos a sinais quanto ao debate sobre alterações futuras no forward guidance do Banco;
  • Depois das minutas da reunião de janeiro terem mostrado uma discussão em torno da intenção, por parte de alguns membros do Conselho de Governadores, de retirar do forward guidance o easing bias associado ao programa APP, ou seja, a possibilidade de este poder ser aumentado em termos de duração ou tamanho, em determinadas condições, a atenção estará em saber se a decisão será tomada hoje, como passo adicional para ajustar o forward guidance do Banco, reduzindo a importância do programa APP na sua política de comunicação e chamando a atenção para os efeitos do conjunto de instrumentos de política monetária (incluindo também reinvestimentos, forward guidance, e stock de ativos já adquiridos).

Em Portugal, a Altri reporta os seus números de 2017, após o fecho do mercado.

A Irlanda vende dívida, emissões 0% 18 outubro 2022 e 0,9% 15 maio 2028.

  • Já esta manhã tivemos a divulgação de uma queda de 3,9% nas encomendas de produção à indústria na Alemanha (vs. consenso -1,8%) em janeiro, após o ganho de 3,0% no mês anterior. A taxa de variação homóloga acelerou de 7,9% em dezembro para 8,2% em janeiro (vs. consenso +11,5%).

Macro:

08:00 - Espanha: Preços no mercado imobiliário (4º trimestre, var. trimestral) (anterior: 1,8%)

13:30 - EUA: Inscrições semanais nos centros de emprego (semana terminada a 3 de março, milhares) (consenso: 220, anterior: 210)

13:30 - EUA: Total de subsídios de desemprego concedidos (semana terminada a 24 de fevereiro, milhares) (consenso: 1919, anterior: 1931)

14:00 - México: Índice dos preços no consumo (fev., var. homóloga) (consenso: 5,37%, anterior: 5,55%)

Voltar