banner

Ticker

* Cotações com atraso superior a 15 minutos via Bats CHI-X Europe e NASDAQ Basic

MACRO - Zona Euro - Valor final de fevereiro coloca o PMI composto da IHS Markit no valor mais baixo desde novembro de 2017

5 Mar 2018

noticias/not_1.jpg

Zona Euro: Índices PMI da IHS Markit para os Serviços e o Total do Setor Privado da Economia (fevereiro, final):

Conclusão: a leitura final do índice PMI composto da IHS Markit para o total do setor privado da economia na área do euro foi revisto em baixa face ao valor preliminar em 0,4 pontos para 57,1. Este é o valor mais baixo desde outubro de 2017, depois do índice PMI composto ter caído 1,7 pontos em fevereiro, traduzindo descidas nos índices para os serviços (-1,8 pontos), igualando o valor de novembro de 2017 (após a revisão em baixa de 0,5 pontos face ao valor preliminar de fevereiro) e na indústria (-1 ponto, para o valor mais baixo desde outubro de 2017). De relembrar que a leitura de janeiro do índice PMI composto tinha representado um máximo de quase 12 anos e compara com uma média histórica da serie de 53,0. A leitura de janeiro parta o PMI dos serviços tinha representado um máximo de quase 10 anos e meio. A leitura de fevereiro deste PMI (56,2) permanece bem acima da média histórica da série (53,2).

A média de janeiro e fevereiro para o índice composto situa-se em 58,0, o que compara com 57,2 para a média do 4º trimestre de 2017 e 56,4 para a média de 2017 como um todo. A evolução deste indicador coincidente para o crescimento na área do euro aponta ainda para um sólido 1º trimestre de 2018.

A componente das novas encomendas para o índice PMI composto na região do euro atingiu um mínimo de 6 meses na sua leitura de fevereiro, o que sugere que o índice PMI composto poderá continuar a abrandar na leitura dos mais próximos meses. Contudo, o índice de expectativas permaneceu elevado e próximo do máximo de 8 meses divulgado para janeiro. Apesar da queda no mês, a componente do emprego permaneceu num dos valores mais elevados dos últimos 7 anos. As componentes de preços nos inputs e nos outputs registaram ligeiros abrandamentos, embora permaneçam em terreno de expansão para todos os países para os quais é divulgado um PMI composto. No que se refere ao inquérito para os serviços, a componente dos preços nos inputs atingiu o valor mais baixo desde novembro de 2017, situando-se a componente dos preços de venda apenas ligeiramente abaixo do máximo de nove anos e meio observado em janeiro (não obstante os sinais desapontantes de Itália no mês).

Detalhes:

  • Espanha: o índice PMI composto da IHS Markit para o total do setor privado da economia espanhola aumentou 0,4 pontos em fevereiro para 57,1 (vs. consenso 56,5), suportado por uma subida também de 0,4 pontos no índice para os serviços, situando-se em 57,3 (vs. consenso 56,5), o valor mais elevado desde julho de 2017. A média de janeiro e feveiro (56,9) para o indicador coincidente representado pelo índice PMI composto situa-se acima da média do 4º trimestre de 2017 (55,2) e do valor médio observado em 2017 (56,2), compatível com uma evolução favorável por parte da economia espanhola nos dois primeiros meses de 2018;
  • No que se refere ao detalhe do inquérito para os serviços, apesar da queda observada em fevereiro, a componente das novas encomendas permaneceu num nível elevado. O índice de expectativas baixou face ao máximo de 7 meses observado em janeiro, mas permaneceu acima da média histórica da série. As componentes de preços nos inputs (entre indicações de custos salariais mais elevados) e nos outputs (o valor mais elevado em cerca de 11 anos) registaram subidas em fevereiro, refletindo um ambiente mais favorável em termos de pricing power.
  • Itália: o índice composto da IHS Markit/ADACI para o total do setor privado da economia italiana registou uma queda de 3 pontos em fevereiro para um valor ainda relativamente elevado de 56,0 (vs. consenso 57,9), traduzindo a queda também observada no índice para os serviços (-2,7 pontos para 55,0, vs. consenso 57,0), assim como no índice PMI para a indústria divulgado na semana passada. Apesar da queda observada em fevereiro pelo índice PMI composto, a média de janeiro e fevereiro (57,5) encontra-se ainda 2 pontos acima da média do 4º trimestre de 2017 (vs. média de 2017 como um todo nos 55,1). De relembrar que a leitura de janeiro do PMI para os serviços tinha representado um máximo de dez anos e meio;
  • O detalhe do inquérito para os serviços mostrou um mínimo de 3 meses para a componente das novas encomendas, sugerindo um menor crescimento face ao mês anterior. A leitura da componente do emprego permanece compatível com um ganho modesto de emprego. A componente dos preços nos inputs permaneceu em terreno de expansão (com referências aos custos com os combustíveis e com os salários), embora tenha sido observado o valor mais baixo desde outubro. Contudo, a componente dos preços de venda apresentou uma leitura em terreno de contração, compatível com uma queda ligeira nos preços, traduzindo um ambiente de pressões competitivas. O índice de expectativas para os próximos meses permaneceu sustentado;
  • O índice PMI composto para a Irlanda registou uma queda de 2,2 pontos em fevereiro para 56,8. A exemplo do sucedido com o índice para a indústria (anteriormente divulgado), também o índice para o setor dos serviços registou uma queda (-2,6 pontos para 57,2). Apesar da queda no mês, o índice PMI composto apresenta uma média de 57,9 para os dois primeiros meses de 2018, praticamente em linha com o observado no 4º trimestre de 2017 (58,0) e com a média de 2017 como um todo (também 58,0);
  • Na Alemanha, o índice PMI dos serviços permaneceu inalterado em 55,3 face à leitura preliminar (-2 pontos face a janeiro), tendo o índice para o total do setor privado sido revisto em alta face à leitura preliminar (+0,2 pontos para 57,6, o que coloca a queda no mês em 1,4 pontos). A média de janeiro e fevereiro para o índice composto (58,3) situa-se ainda 0,7 pontos acima da média observada para o 4º trimestre de 2017. Em França, os índices para os serviços (-0,5 pontos para 57,4, o que colocou a queda no mês em 1,8 pontos), como para o total do setor privado da economia (-0,5 pontos para 57,3, o que colocou a queda no mês em 2,3 pontos) registaram ambos descidas face ao valor preliminar. A média de janeiro e fevereiro para o índice PMI composto (58,5) situa-se 0,6 pontos abaixo da média do 4º trimestre de 2017 (56,8 para a média de 2017 como um todo).
Voltar